EMDR

EMDR – UMA PSICOTERAPIA REVOLUCIONÁRIA

EMDR [Eye Movement Desensitization and Reprocessingé uma técnica americana de dessensibilização de experiências emocionalmente traumáticas. Utiliza estimulações bilaterais de forma a conectar os hemisférios direito e esquerdo do cérebro cujo objetivo é trabalhar terapeuticamente memórias que foram armazenadas ao longo da vida no cérebro de um indivíduo mas que ainda o incomodam e o faz sofrer.

Ela foi desenvolvida pela psicóloga Francine Shapiro na década de 80 e tem auxiliado muitas pessoas a se desligar de traumas do seu passado com muita efetividade. É reconhecida pela American Psychiatric Association e pela OMS [Organização Mundial de Saúde]. Há tantas pesquisas com essa técnica que hoje há congressos sobre ela em vários continentes.

Brain.jpg

A QUEM SE DESTINA?

O EMDR surgiu originalmente para tratamento de TEPT [Transtorno de Estresse Pós-Traumático] mas atualmente tem aplicação em várias situações que perturbam o equilíbrio mental tais como fobias [de avião, de elevador, de sair em público…], quadros ansiosos e depressivos, conflitos familiares, luto [por perdas de pessoas queridas, de emprego, de relacionamentos…], pensamentos recorrentes, entre outras.

MAS O QUE É TEPT?

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático [TEPT] é um transtorno psicológico que ocorre em resposta a uma situação ou evento estressante [de curta ou longa duração], de natureza excepcionalmente ameaçadora ou catastrófica. Caso persista por mais de 2 anos, pode levar a alterações duradouras da personalidade.

Nem todos que se expõem a um evento ameaçador desenvolvem TEPT. Existem algumas características na pessoa que a torna mais vulnerável a desenvolver o trauma, vamos a elas: 

  1. O quanto o evento traumático afetou a vida íntima e pessoal do indivíduo;
  • A duração do evento;
  • Tendência orgânica ao desenvolvimento de transtornos de humor e de ansiedade;
  • Inexperiência e/ou despreparo para lidar com o evento;
  • Múltiplas experiências traumáticas no seu passado;
  • Experiências traumáticas causadas por pessoas mais próximas e/ou cuidadores(pais, parentes próximos);
  • Pouco ou nenhum recurso (rede de apoio)familiar e social após o episódio.

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DESSA SÍNDROME?

Os sintomas podem manifestar-se em qualquer faixa de idade e levar meses ou anos para aparecer. Pode-se agrupá-los em três categorias:

  1. Reexperiência traumática: pensamentos recorrentes e intrusivos que remetem à lembrança do trauma, flashbacks, pesadelos;
  2. Esquiva e isolamento social: a pessoa foge de situações, contatos e atividades que possam reavivar as lembranças dolorosas do trauma;
  3. Hiperexcitabilidade psíquica e psicomotora: taquicardia, sudorese, tonturas, dor de cabeça, distúrbios do sono, dificuldade de concentração, irritabilidade, hipervigilância.

Tanto a pessoa que foi vítima do evento traumático quanto a que presenciou [testemunha] podem desenvolver essa síndrome. 

Como ela traz prejuízo emocionais, relacionais, ocupacionais e até mesmo pode levar ao desencadeamento de doenças físicas, deve ser tratada o quanto antes. O EMDR é uma técnica muito eficiente para isso.

Captura de Tela 2016-10-28 às 21.35.51.png

COMO É O PROTOCOLO DE TRATAMENTO DO EMDR?

O paciente inicialmente relata o motivo [sintomas, queixas] para o qual procura ajuda. O terapeuta o auxilia a levantar a linha do tempo da vida dele [a sua história de vida], focando em especial a situações ocorridas que ainda o perturbam. Junto com o fato, solicita-se que anote também a emoção, a sensação no corpo, as crenças negativas associadas ao evento. Após todo esse levantamento, trabalha-se através de movimentos bilaterais [ocular, táctil ou auditivo] e de interlocuções cognitivas [perguntas chaves e considerações objetivas que fazem a pessoa refletir sobre o fato de forma racional com os recursos psicológicos que possui hoje] as memórias “mal digeridas”. O número de sessões terapêuticas é programada individualmente dependendo das situações traumáticas vivenciadas e dos recursos que o paciente tem para lidar com isso.

Antes de entrar no processamento das experiências traumáticas, toma-se o cuidado de instalar recursos terapêuticos para a pessoa conseguir vivencia-los e libertar-se das memórias mal processadas sem sobrecarregar-se emocionalmente.

Exemplo de uma linha do tempo de um paciente diagnosticado com síndrome do pânico:

LINHA DO TEMPO EMDR

FATO Ano ou idade que tinha quando o fato ocorreu Quando você pensa no fato, o que você pensa de negativo a seu respeito?
O quanto isso de perturba emocionalmente em uma *escala de   0 a 10?
 
Que emoção sente quando pensa no fato? Onde sente a perturbação no seu corpo?
Buliyng na escola 5 anos Sou um coitado Perturba 9 Frustração Bola na garganta
Assalto

 

11 anos Estou em perigo Perturba 10 Medo
Impotência
Aperto no peito
Cirurgia para retirada da vesícula biliar 30 anos Estou em perigo Perturba 10 impotencia Frio na barriga

*Escala: 0=nenhuma perturbação e 10=perturbação máxima

 O cérebro registra a crença negativa [fantasiosa] e a emoção, já o corpo, as sensações físicas. O indivíduo age automaticamente na vida sem se dar conta dessas interferências.

MAS COMO SE CONSTRÓI UMA MEMÓRIA?

Com todas as pesquisas atuais sobre memória, sabemos que ela não é uma cópia fiel do mundo, não é como uma gravação de vídeo. Mas ela sofre a influência do mundo sobre o indivíduo. A construção da memória resulta de uma combinação das influências do mundo com as idéias e as expectativas da pessoa. Um exemplo claro disso surge quanto assistimos um filme junto com alguém e constatamos que cada um apreendeu algo diferente da mesma história assistida.

O indivíduo constrói uma narrativa dos fatos vivenciados [a memória] baseada na percepção oriunda da sua história pessoal.

Ao longo da vida, conforme o estado emocional, passa-se por momentos de alegria, paz, mágoas, frustração e raiva, flutuando em ondas de amor e ódio. Com frequência, quando jovens e crianças , não consegue-se diferenciar o falso do verdadeiro, imaginamos coisas como reais sem de fato serem.

Pode-se acreditar ser inferior só porque fomos perseguidos ou rejeitados por alguém; ou pensar que se foi responsável pela separação dos pais ou doença de alguém sem, na verdade, ter nenhum poder sobre esses fatos . São simplesmente percepções erradas.

Apesar disso, essas crenças influenciam o nosso piloto automático e reagimos a elas como verdadeiras repetindo mentalmente: “sou culpado de tudo!”

COMO O CÉREBRO ARMAZENA ESSAS MEMÓRIAS?

Quando “ aprendemos” alguma coisa, a experiência é fisicamente guardada dentro de redes de células cerebrais chamadas “neurônios”. Essas conexões, na verdade, formam uma rede inconsciente, determinando como o cérebro interpreta o mundo a nossa volta e orientando a maneira como nos sentimos a cada momento.Tudo será filtrado(como um óculos) através dessa rede. Essas memórias incluem experiências que ocorreram anos atrás e a mente consciente geralmente está alheia ao fato de que elas produzem impacto sobre nós.

Elas nos faz sentir pouco atraentes quando esse não é o caso, ou deprimidos quando todos a nossa volta estão felizes, podem nos deixar arrasados quando alguém nos abandona [mesmo quando sabemos racionalmente que essa pessoa nos fazia mal]. Assim, vários dos sentimentos e ações que corroem nossa felicidade são originários desse sistema de memória que forma o inconsciente.

emdr memorias.jpg

O QUE É A MENTE INCONSCIENTE?

A abordagem do exame do inconsciente usada na terapia do EMDR baseia-se nos mecanismos de funcionamento do cérebro a luz dos avanços tecnológicos na área da Neurobiologia. Entende-se que as experiências produzem os fundamentos físicos para as reações emocionais e físicas gerando pontos “bloqueados” e respostas mentais reflexas. A formatação da nossa mente, determinará como nos comportaremos.É como se o cérebro funcionasse como um hardware e o comportamento como um software cuja formatação dependerá das nossas experiências de vida. Se esse programa for formatado de modo defeituoso, surgirá bloqueios no seu funcionamento como se fosse um vírus,   surgindo as respostas automáticas e desproporcionais para as situações apresentadas pela vida. A Neurobiologia, além de trazer a compreensão desses bloqueios também nos mostra o que fazer a respeito deles e a terapia EMDR é uma das soluções práticas e eficientes para desfazer os bloqueios.

E A MEMÓRIA DOS PACIENTES COM TEPT, COMO ESTÁ?

As pessoas com TEPT claramente possuem a experiência negativa armazenada de forma altamente perturbadora no cérebro. Quando a pessoa pensa no acontecido, ela pode sentir a mesma dor, mágoa e raiva vivenciada naquela determinada ocasião. E responde ao mundo a sua volta com essas mesmas emoções.

Não importa o tempo que ocorreu a situação traumática, se foi a um ano ou a vinte anos, se as memórias não foram processadas adequadamente no cérebro, cada vez que se pensa no incidente, pode ser que se sinta como se tudo estivesse acontecendo novamente, ou seja, parece que o tempo não passou. Logo, deve-se ter em mente que não importa qual seja a emoção, a crença ou o comportamento negativo persistente que o incomode, isso não é a causa do sofrimento – e sim o sintoma.

CONEXÕES MENTE E CORPO – REFLEXÕES NECESSÁRIAS

A luz dos novos conhecimentos sobre a saúde/doença mental temos como obrigação fazer algumas reflexões:

  1. Podemos herdar predisposições genéticas neurológicas e/ou bioquímicas que nos tornam vulneráveis a distúrbios mentais;
  2. Alguns tipos de experiências de vida decorrentes de trauma recentes e passados SOMADOS A interferências ambientais [nutrição inadequada, tóxicos ambientais, e sociais] podem ser necessárias para que a perturbação ocorra;
  3. O evento não precisa ser expressivo para levar a um trauma. Ele pode surgir de acontecimentos aparentemente irrelevantes no olhar de um adulto mas muito agressivo na percepção da criança;
  4. Memórias não processadas do passado interferem no presente. O EMDR faz a conexão do passado com o presente, ajudando a entender os sintomas e a identificar as suas causas. Não é o seu foco procurar culpados mas foca na libertação da mente de comportamentos automatizados;
  5. Há maneiras pelas quais os pensamentos, sentimentos e reações automáticas podem ser transformados, diminuindo a perturbação e aumentando a confiança e a sensação de conforto.

CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE APRENDIZADOS DA VIDA E EMDR

O tratamento com a técnica EMDR contribui para:

  • Entender por que somos quem somos e aprender o que podemos fazer a respeito da dor e das reações negativas além de identificar e romper os bloqueios para os sentimentos de felicidade e bem-estar.
  • Sabemos que experiências da infância são a raiz de vários problemas psicológicos, contudo sair em busca de culpados, não nos liberta de conceitos negativos que formamos a nosso respeito. Temos que nos libertar de idéias fantasiosas que levam ao sofrimento como que hipnotizados por idéias fixas que nenhuma racionalização consegue romper.
  • Enquanto crianças em um mundo de adultos, todos passamos pela experiência de não ter o controle de uma situação, de ser ignorados ou de se sentir menos importante do que os outros. Como adultos responsáveis, com conhecimento e ajuda suficientes, somos capazes de assumir o controle sobre os nossos atos e desligar ações automáticas prejudiciais.

Agende sua consulta com a Dra. Paula Pedroza através do e-mail: clinica.medin88@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s