PILARES PARA ENCONTRAR SENTIDO NA VIDA

São 4 pilares compõem o sentido da vida…

PERTENCIMENTO

pertencimento

Conexão

Todos precisamos dar e receber afeto. Achar nossa tribo. Biologicamente falando somos mamíferos que gostam, em sua maioria, de viver em grupos.

Pesquisas mostram que a sensação de pertencimento é a mais importante como acionadora de sentido.

Segundo os psicólogos, as pessoas sentem-se integradas quando duas condições são cumpridas:

  1. Mantém relações baseadas no carinho mútuo onde todos se sentem amados e valorizados. As pessoas acham que você é relevante e o tratam como tal e você acredita que é relevante;
  2. Têm interações frequentes e prazerosas com os outros regularmente como quando os pais brincam com os filhos, os casais ficam juntos e compartilham assuntos.

Assim, os estudos constatam que as pessoas precisam de algo além de alimento e abrigo para ter uma vida plena e saudável. Precisam de amor e carinho. Precisam ter laços com alguém.

Émile Durkheim, o pai da sociologia, na sua obra “O suicídio”(1897) examinou a questão do porquê as pessoas se matam e descobriu que o suicídio não é apenas um fenômeno individual decorrente de problemas pessoais mas também um problema social. Constatou que as pessoas ficam mais predispostas ao suicídio quando são marginalizadas de suas comunidades e livres de todas as restrições sociais impostas por essas comunidades. Lugares onde o individualismo é muito valorizado e as pessoas são excessivamente autossuficientes, os indivíduos não florescem nesses ambientes mas o suicídio sim. Essa pesquisa parece tão atual, não é?

Sem os limites e as tradições da comunidade, a sociedade cai em uma situação de falta de objetivo e de normas- a Anomia segundo o pai da sociologia, e as pessoas se sentem sem rumo e desesperançadas.

A compaixão é o cerne do pilar do pertencimento. O sentido jaz nos outros. Apenas nos concentrando nos outros construímos o pilar do pertencimento tanto para nós como para eles. Se quisermos achar sentido em nossas vidas, temos de começar estendendo a mão”, ressalta Emily Smith.

PROPÓSITO

PropositoFluxo da vida e desafios – Missão

O Propósito não precisa ser grandioso aos olhos do mundo, mas você sente que faz a diferença no mundo.

Segundo William Damon, psicólogo do desenvolvimento em Stanford, o propósito tem duas dimensões relevantes:

  1. É uma meta “estável e de longo alcance”, pela qual estamos sempre trabalhando. É a seta que motiva nosso comportamento e serve de princípio organizador da vida;
  2. Envolve uma contribuição ao mundo. Desejo de fazer diferença e que vai além do self.

Outra coisa importante, para se viver com propósito é preciso autorreflexão e autoconhecimento. Todos temos pontos fortes , talentos, ideias e experiências diferentes que nos moldam, daí termos propósitos diversos que se encaixam no que somos e valorizamos- a nossa personalidade.

O psicólogo Erik Erikson definiu a identidade como algo complexo e multifacetado que envolve:

  • Quem eu sou?
  • De onde vim?
  • Para onde vou?
  • E como me ajusto à sociedade e ao mundo?

Aquela pessoa que tem uma ótima compreensão da própria identidade está ciente de seus princípios fundamentais, seus valores e objetivos na vida e também sabe da influência que seus grupos e comunidades exerceram sobre si. Consegue responder a pergunta fundamental na fase adulta:

Que tipo de pessoa eu sou e que tipo de pessoa quero ser?

E como nossa identidade é dinâmica, no final da vida, pode responder:

Que tipo de pessoa eu fui e estou satisfeito com isso?

 Se viveu segundo os próprios valores e alcançou os seus objetivos de vida encontrará nessa fase integridade do ego em vez de desespero.

Quem se conhece pode escolher caminhos alinhados aos seus valores e habilidades em todas as áreas da sua vida.

A pessoa movida pelo propósito não está preocupada com os benefícios pessoais, mas em tornar o mundo um lugar melhor.

“Comece em você a mudança que quer ver no mundo” como disse Mahatma Gandhi.

 

NARRATIVA

narrativaNossa história e os aprendizados

A narrativa nada mais é do que o processo de elaboração da história de cada um. Ela ajuda o narrador a ligar os acontecimentos da vida de novas formas, adquirindo discernimento sobre suas experiências e aprendendo lições que antes lhe escapavam. Ou seja, é importante que o narrador possa refletir sobre a sua experiência e extrair o seu sentido. Que ao invés de olhar com os olhos da criança ferida possa enxergar as cicatrizes do adulto e todo o aprendizado decorrente daí.

A antropóloga Bateson diz que nossas identidades e experiências estão em constante mutação, a nossa história é um ato de criação – o livro da nossa vida. Cada um de nós trabalha com a improvisação, descobrindo o formato de nossa criação no decorrer do caminho. Ao pegarmos fragmentos distintos de nossa vida – nossa Time Line [ou a nossa Linha do Tempo], criamos um todo unificado que nos permite enxergá-la como algo coerente, com sentido, enfim que tem um porquê que não dependeu só de nós mas de um conjunto de pessoas que passaram em nossa vida. Somos o conjunto da ópera!

Histórias são essenciais para definir a nossa identidade– entender quem somos e como nos tornamos assim.

Segundo o psicólogo Dan McAdams, a identidade narrativa é a história internalizada que criamos sobre nós mesmos. Podemos compartilhar a nossa história com outros quando queremos a compreensão alheia, ou quando queremos saber quem é a outra pessoa, pedimos que divida conosco parte de sua história. Ele chama atenção para o fato de que a história de vida de uma pessoa não é o todo que lhe aconteceu mas o que preferiu escolher, sejam fatos bons ou ruins. Assim as situações não determinam o que somos, mas o que percebemos e como reagimos a elas.

Uma das grandes contribuições da psicoterapia é a idéia de que podemos editar, revisar e interpretar a história de nossa vida. A função da psicoterapia é ajudar os pacientes a reescreverem a sua história sob um prisma mais positivo. Podemos pensar nas perdas de forma a possibilitar o nosso crescimento.

TRANSCENDÊNCIA

transcendeciaTranscendência e libertação

Em estados transcendentes, acontecem duas coisas maravilhosas:

  1. Nosso senso de self vai embora junto com suas preocupações e desejos triviais;
  2. Em seguida, sentimos uma ligação profunda com os outros e com tudo o que existe no mundo.

E assim, nossas angústias acerca da existência e da morte evaporam e a vida parece por um instante fazer sentido- vem a sensação de paz e bem-estar.

Os cientistas chamam essa reação emocional de “assombro”. Ele é sentido quando percebemos algo tão magnífico e incomensurável que não conseguimos entender, como uma paisagem esplêndida, uma canção maravilhosa, um ato de extrema generosidade ou o divino. O assombro desafia os modelos mentais que empregamos para entender o mundo.

Segundo William James , grande psicólogo americano do século XIX, todas as experiências místicas ou transcendentais têm quatro características:

  1. São passivas, ou seja, a sensação mística parece se originar de uma força externa;
  2. São temporárias. A sensação do divino dura pouco tempo, brota e se esvai logo;
  3. São inefáveis, isto é, as suas propriedades têm de ser vivenciadas diretamente: não podem ser comunicadas ou transferidas a outrem;
  4. São noéticas, ou seja, transmitem conhecimento e sabedoria.”São estados de percepção das profundezas da verdade inexplorados pelo intelecto discursivo”.

O assombro afeta nosso senso de self e surge o que se chama o “paradoxo da transcendência”- leva os indivíduos a se sentirem insignificantes e ao mesmo tempo ligados a algo enorme e cheio de sentido. Meditadores experientes sentem isso e astronautas quando voltam para a Terra após visualizarem o planeta como minúsculo frente a grandiosidade do universo também experimentam esse fenômeno que se convencionou chamar de “efeito panorâmico”.

Dois neurocientistas, Newberg e D’Aquili ao estudarem o cérebro de meditadores com exames de neuroimagem tipo a tomografia computadorizada SPECT, onde se injeta uma substancia radioativa e pode-se se verificar a quantidade de sangue que flui para diversas áreas do cérebro, puderam verificar que no auge do momento místico havia queda na atividade do lobo parietal superior e posterior – área de associação orientadora cujas principais funções são localizar o self no espaço, ficar de olho nos limites físicos e discernir o self do não self.

E o que os meditadores sentiam nessa hora?

Sentiam-se ligados a tudo e a todos, com um senso de unidade.

No cérebro de sufistas em meditação, observaram uma diminuição da atividade do lobo frontal, responsável pela tomada de decisões conscientes e por dar ao indivíduo a sensação de controle sobre seus ambiente e seus atos.

EM NOSSA CLÍNICA TRABALHAMOS OS 4 PILARES DO SENTIDO DA VIDA UTILIZANDO:

  1. Terapia do Esquema onde se avalia o porquê eu me comporto do jeito que me comporto;
  2. Eneagrama que mostra muito quem é você;
  3. Psicoterapia EMDR(vide texto no site) que auxilia no desbloqueio de comportamentos disfuncionais que impedem o fluxo saudável na vida.

Agende uma consulta através do e-mail clinica.medin88@gmail.com !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s