TEPT [TRANSTORNO DE ESTRESSE PÓS-TRAUMÁTICO]

É um distúrbio que ocorre em algumas pessoas que experimentaram um evento assustador, perigoso ou chocante.

É natural sentir medo durante e após uma situação traumática. O medo dispara alterações no corpo em frações de segundo para nos ajudar a nos defender do perigo ou tentar evitá-lo. Essa resposta de “luta e fuga” é uma reação típica para proteger a pessoa do dano. Quase todo mundo experimenta uma gama de reações após o trauma, mas a maioria se recupera dos sintomas iniciais naturalmente. Aqueles que continuam a experimentar problemas podem ser diagnosticados como TEPT. Pessoas com TEPT podem se sentir estressadas e amedrontadas até mesmo quando elas não estão em perigo.

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DO TEPT?

Nem toda pessoa traumatizada progride para o TEPT crônico ou desenvolve TEPT agudo, e nem todo mundo que desenvolveu TEPT foi decorrente de um evento perigoso. Algumas experiências, tal como a morte inesperada de uma pessoa querida também podem desencadear esse transtorno. Sintomas usualmente começam cedo, dentro de 3 meses do evento traumático, mas às vezes pode surgir anos após o incidente. Sintomas devem durar mais que 1 mês e ser grave o suficiente para interferir nos relacionamentos ou no trabalho. O curso desse transtorno varia. Algumas pessoas se recuperam dentro de 6 meses, enquanto outras tem sintomas que duram muito mais. Em algumas pessoas, a condição torna-se crônica.

SINTOMAS DE UM ADULTO COM TEPT [Devem persistir por pelo menos 1 mês]

1. Re-experiência de pelo menos um sintoma a. Flashbacks [reviver o trauma novamente, incluindo sintomas físicos tal como sudorese e palpitações]

b. Pesadelos

c. Pensamentos assustadores

Esses sintomas podem causar problemas no cotidiano. Eles podem ser oriundos dos próprios pensamentos e sentimentos das pessoas. Palavras, objetos ou situações que lembram o evento também podem disparar esses sintomas de re-experiência.
2. Pelo menos um sintoma de evitação a. Permanecer longe de lugares, eventos e objetos que funcionam como lembretes [disparadores] da experiência traumática.

b. Evitar pensamentos e sentimentos relacionados à experiência traumática.

Coisas que lembram a pessoa do evento traumático podem disparar sintomas de evitação. Esses sintomas podem levar a pessoa a alterar a sua rotina pessoal.
3. Pelo menos 2 sintomas de reatividade e de excitação a. Facilmente se assusta

b. Sente-se tenso ou no limite

c. Dificuldade de dormir

d. Surtos de raiva

Esses sintomas são usualmente constantes, em vez de serem disparados por coisas que lembrem o evento traumático. Eles podem fazer a pessoa ficar estressada e com raiva. Fica difícil realizar as tarefas diárias como dormir, comer e se concentrar.
4. Pelo menos 2 sintomas de humor e de cognição a. Problema em lembrar aspectos chaves do evento traumático

b. Pensamentos negativos sobre si mesmo e do mundo

c. Sentimentos distorcidos como culpa ou vergonha

d. Perda de interesse em atividades agradáveis

Esses sintomas podem iniciar ou piorar após o evento traumático, mas não devem ser devidos a prejuízo ou abuso de substâncias. Eles podem fazer a pessoa se sentir alienada ou separada dos amigos ou familiares.

Trauma 08

É natural ter alguns desses sintomas após um evento perigoso. Às vezes, algumas pessoas podem ter sérios sintomas que vão embora em poucas semanas. Isso é denominado Distúrbio de Estresse Agudo [DEA]. Mas quando os sintomas perduram por mais de 1 mês, seriamente afetam a nossa vida. TEPT é frequentemente acompanhado por depressão, abuso de substâncias ou um dos vários transtornos de ansiedade tais como fobias, síndrome do pânico ou Transtorno de Ansiedade Generalizado [TAG].

AS CRIANÇAS REAGEM DIFERENTEMENTE DOS ADULTOS?

Crianças e adolescentes têm reações extremas ao trauma, e seus sintomas podem não ser os mesmos dos adultos.

Crianças muito jovens com menos de 6 anos de idade, sintomas incluem:
1. Voltar a fazer xixi na cama mesmo após já ter aprendido a usar o toalete
2. Esquecer como ou não conseguir falar
3. Encenar o evento assustador nas brincadeiras
4. Ficar muito pegajoso com um dos pais ou outro adulto

Crianças mais velhas e os adolescentes geralmente mostram sintomas mais semelhantes aos dos adultos. Mas eles também podem apresentar comportamentos agressivos, desrespeitosos e destrutivos. Podem se sentir culpados por não terem conseguido evitar danos ou mortes.

QUAIS SÃO OS FATORES DE RISCO PARA DESENVOLVER TEPT?

POR QUE ALGUMAS PESSOAS DESENVOLVEM E OUTRAS NÃO?

Qualquer um pode desenvolver TEPT e em qualquer idade. Isso inclui desde veteranos de guerra, crianças e pessoas que sofreram abuso físico, emocional, sexual, vítimas de desastres naturais, assaltos, acidentes de carro, internações, procedimentos médicos ou qualquer outro evento que provocou impacto na pessoa. O trauma não depende da situação, mas de como afetou a pessoa. Cada um sente e percebe o perigo de forma individual.

De acordo com o National Center for PTSD [Centro Nacional de TEPT] nos EUA, cerca de 7 a 8 de cada 100 pessoas já experimentaram TEPT em algum momento da sua vida. Mulheres são mais prováveis de desenvolver TEPT do que os homens, e os genes podem favorecer o desenvolvimento de TEPT em algumas pessoas mais do que em outras.

Muitos fatores podem contribuir para uma pessoa desenvolver TEPT. Já os chamados fatores de Resiliência, podem ajudar a reduzir o risco para esse transtorno.

Trauma 07

Pesquisadores estão estudando a importância desses e outros fatores de risco e de resiliência, incluindo a genética e a neurobiologia. Com mais pesquisas, poderá ser possível prever quem é mais propenso a desenvolver TEPT e como prevenir.

O QUE ACONTECE NO ORGANISMO DA PESSOA SOB ESTRESSE

Quando nosso corpo tem uma resposta ao estresse, liberamos o hormônio cortisol que diminui o BNDF [Brain-derived neurotrophic fator – fator de crescimento que ajuda na sobrevivência das células do sistema nervoso e na formação de novas células] protetor e aumenta o nível de inflamação no cérebro.

A combinação de redução de BNDF e aumento no nível de inflamação resulta em dano e perda de função de partes do cérebro que controlam nosso humor e bem-estar, essa função reduzida pode levar então a humor deprimido e problemas de saúde mental.

Trauma 02

Quando o cérebro produz a resposta ao estresse independente da causa, o hipotálamo é ativado e “diz” à glândula hipófise que estimule as glândulas adrenais para liberar o conhecido hormônio do estresse – cortisol no eixo hipotálamo-hipofise-adrenal [Eixo HPA]. As adrenais liberam na sequência adrenalina. Cortisol e adrenalina aumentam no sangue o que leva a aumento a frequência cardíaca, da pressão sanguínea arterial, da glicemia, da insulina, do colesterol, inibe a digestão de alimentos, prejudica o sono. O estresse crônico, ao longo do tempo danifica o centro de memória do cérebro [Hipocampo], o sangue fica mais propenso a coagular, gera resistência a insulina e suas consequências tais como Diabetes Melitus, desregulação da glândula tireoide e da produção de hormônios sexuais, favorece o ganho de peso e compromete a imunidade dentre outros.

QUAIS AS ÁREAS DO CEREBRO ENVOLVIDAS NAS REAÇÕES DO TRAUMA?

Trauma 05

Trauma 03

QUAIS OS TRATAMENTOS E AS TERAPIAS UTILIZADAS NO TEPT?

Os principais tratamentos incluem medicamentos, tais como os antidepressivos que podem ajudar no controle dos sintomas de tristeza, preocupação, raiva e sensação de estar entorpecido por dentro, e a psicoterapia, ou ambos.

Cada individuo é único com suas vulnerabilidades e forças, e o TEPT afeta de formas diferentes cada um. Assim o tratamento que funciona para um pode não funcionar para o outro, portanto deve ser individualizado.

Se uma pessoa continua exposta ao evento traumático tal como em um relacionamento abusivo, ambos os problemas precisam ser abordados. Além disso, a pessoa com TEPT pode apresentar outros transtornos associados como a síndrome do pânico, depressão, abuso de substâncias e pensamentos suicidas. Tudo isso também precisa ser visto e tratado.

A Psicoterapia envolve falar com um profissional da saúde mental sobre os seus sintomas. Pode ser feita individualmente e em grupo [casos de desastres com muitas vítimas].

Há muitos tipos de psicoterapia que podem ajudar com o TEPT, mas a mais efetiva é aquela que tende a enfatizar os componentes chave, incluindo a educação sobre os sintomas, o ensino de habilidades para identificar os disparadores desses sintomas e a melhor maneira de controla-los. Uma delas é o EMDR [Eye Movement Desensitization and Reprocessing] que inclui:

  1. Entrar em contato com o evento traumático e as possíveis situações de vida do paciente relacionadas com ele:

Ajuda a pessoa a olhar e controlar os seus medos mas de uma forma segura com o auxílio do terapeuta que usa todos os recursos dessa técnica onde o paciente mantém a atenção dual, ou seja, mantém-se no presente enquanto mentalmente revisita as imagens do evento associando  a sensação do corpo, a emoção  e a crença negativa percebidas no momento do trauma [ICES = Imagem, Crença, Emoção,  Sensação].

O terapeuta deve se manter presente e conectado empaticamente com a pessoa a fim de auxiliá-la a lidar com seus sentimentos enquanto faz os Estímulos Bilaterais os quais ajudam na conexão entre os hemisférios direito e esquerdo do cérebro para acessar os conteúdos de Memórias Explícitas [Conscientes] e Implícitas [Inconscientes] e trabalhá-las;

  1. Re-estruturação cognitiva:

Isso ajuda a pessoa a entender as memórias ruins. Às vezes, ela lembra o evento diferentemente de como ele aconteceu. Isso pode fazê-la sentir culpa ou vergonha sobre algo do qual ela não foi a responsável. O terapeuta ajuda a pessoa com TEPT a olhar o que ocorreu de uma forma mais real utilizando os chamados entrelaçamentos cognitivos;

  1. Regulação emocional:

O terapeuta ajuda a pessoa com TEPT a se autorregular emocionalmente e a aprender a levar a vida de uma forma mais leve frente às situações de estresse. A pessoa traumatizada pode ficar com o sistema nervoso simpático altamente ativado, com muita adrenalina, em permanente postura de luta e fuga e não conseguir relaxar.  Técnicas para ativar o sistema parassimpático, que usa a acetilcolina, e leva o organismo para a Recuperação-Regeneração são utilizadas.

Mas o traumatizado pode também ir para o extremo oposto e ficar Hipoativado, como se estivesse anestesiado perante os desafios da vida, nesse caso há técnicas que levam a pessoa a entrar em contato consigo mesma e com os outros e o ambiente.

Trauma 06

Trauma 09

OITO ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES TERAPÊUTICAS EM BUSCA DE MELHOR SAÚDE CEREBRAL

Utilizamos em nossa clínica uma abordagem sistêmica englobando fatores do corpo, da mente e das emoções com ferramentas terapêuticas da Medicina Funcional, da Medicina Chinesa e da Psicoterapia:

  1. Teste de avaliação do funcionamento dos lobos frontais, temporais, parietais, occipitais, dos neurotransmissores cerebrais e dos desequilíbrios do Eixo Intestino-Cérebro;
  2. Um plano alimentar saudável [para equilibrar a insulina, o cortisol e outros hormônios] e desintoxicante individualizada baseado nos exames laboratoriais;
  3. Fórmulas magistrais chinesas no combate à inflamação, para regular as emoções [acalmando o mental], o sono, otimizar a memória e a vitalidade, e para modular  o sistema imunológico;
  4. Fórmulas com vitaminas e minerais para repor os nutrientes depletados e melhorar o metabolismo, a produção de neurotransmissores, a função das mitocôndrias e a saúde cerebral em geral;
  5. Suplementos tais como ômega 3, cúrcuma, carnitina, triptofano, tirosina, teanina, resveratrol, probióticos e os específicos para o quadro clínico;
  6. Acupuntura [vide neste site: “Acupuntura: indicações”]no controle do estresse, da dor, para ajudar no sono e na modulação do sistema imune;
  7. Tratamento psicoterápico baseado nas mais modernas descobertas de como o cérebro funciona e dos impactos sobre ele que repercutem em nossa saúde mental- EMDR incluindo os traumas psicológicos que podem estar envolvidos nos quadros de Brain Fog e Burnout [vide nesse site o artigo: “EMDR- uma psicoterapia revolucionária” e artigo: “o seu cérebro está funcionando bem?];
  8. Associada a essa terapia trabalhamos também as questões sobre o sentido e proposito de vida [Vide neste site o artigo: “Uma visão completa e prática do que é ter sentido na vida”]

Trauma 04

Agende já sua consulta através do e-mail: clinica.medin88@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s