Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade [TDAH] – Novas Perspectivas

TDAH 1

  • Você acha difícil prestar atenção?
  • Sente a necessidade de se mover constantemente?
  • Percebe que constantemente interrompe as pessoas?

Se essas são questões para você, pode ser um sinal de TDAH. Esse transtorno dificulta o foco e o controle de comportamentos impulsivos.

TDAH não é apenas um transtorno infantil. Os sintomas podem iniciar na infância, mas continuam pela adolescência e a na vida adulta. A hiperatividade tende a melhorar no período da adolescência, mas problemas com falta de atenção, desorganização e dificuldade em controlar os impulsos, na maioria das vezes, seguem até o período adulto.

O QUE É O TRANSTORNO DO DEFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH)?

Transtorno que se manifesta como um padrão persistente de déficit de atenção e/ou hiperatividade/impulsividade em dois ou mais ambientes, desproporcional a outras pessoas semelhantes da mesma idade.

Segundo o psiquiatra americano Allen Frances, as perguntas de rastreamento são:

Se o paciente for uma criança: “O seu filho é inquieto, está sempre ativo, é impulsivo e/ou incapaz de se concentrar na tarefa atual?”

Se o paciente for um adulto: “Hiperatividade e distração têm sido problemas para você?”

Hiperatividade-Impulsividade: As decisões são tomadas rápida e impulsivamente, sem planejamento, pensamento ou consideração suficientes acerca dos riscos ou das consequências.

Desatenção: Dificuldade de se concentrar, distraída, esquecida. Costuma se atrasar e perder prazos; descuidada, propensa a erros, perde as coisas; trabalho bagunçado, desorganizado, sempre aquém de suas capacidades.

COMO SE MANIFESTA O TDAH AO LONGO DA VIDA?

 
PRÉ‐ESCOLAR (3‐7 ANOS)

 

Comportamento perturbador

Agressivo/ Hiperativo

Problemas de conduta/ Desatento

 

 

ESCOLAR (7‐14 ANOS):

Não conclui tarefas

Dificuldades escolares

Baixa auto-estima/ Depressões

Distúrbios de conduta

 

ADOLESCENTE (14‐21 ANOS)

Ansioso/ Opositor

Depressivo

Problemas sociais

Uso de drogas

ADULTO

Problemas nos relacionamentos

Dificuldade de seguir ordens

Problemas de memória e de concentração

Problemas emocionais e sociais

MAS O QUE CAUSA O TDAH?

Pesquisas atuais sugerem que o TDAH pode ser causado por interações entre os genes e o ambiente. Vários fatores podem contribuir levando em consideração tudo que pode impactar no funcionamento cerebral além dos já estudados:

  1. Genes
  2. Uso de drogas, álcool e tabaco na gestação
  3. Reações a alimentos
  4. Deficiências nutricionais
  5. Exposição a metais tóxicos tais como chumbo, mercúrio
  6. Baixo peso ao nascer
  7. Lesões cerebrais [traumas físicos]
  8. Traumas emocionais

COMO SUSPEITAR DE TDAH?

Em geral, as pessoas com esse transtorno têm três tipos diferentes de sintomas:

  1. Dificuldade de prestar atenção [Desatenção]
  2. Ser hiperativo [Hiperatividade]
  3. Agir sem pensar [Impulsividade]

QUAIS SÃO OS SINTOMAS (OU COMBINAÇOES DELES) QUE PESSOAS COM TDAH COSTUMAM APRESENTAR?

  SINAIS DE DESATENÇÃO
  Ignorar ou perder detalhes, cometer erros por descuidos na escola, no trabalho ou durante outras atividades
  Ter problemas para manter a atenção em tarefas ou brincadeiras, incluindo conversas, palestras ou leitura prolongada
  Parece não ouvir quando se fala diretamente
  Não seguir as instruções, deixar de concluir tarefas escolares, tarefas domésticas ou tarefas no local de trabalho; ou iniciar tarefas, mas rapidamente perder o foco e se desviar facilmente
  Ter problemas na organização de tarefas e atividades, como executar tarefas em sequência, manter os materiais e os pertences em ordem, manter o trabalho organizado, gerenciar o tempo e cumprir os prazos.
  Evitar ou não gostar de tarefas que exijam esforço mental contínuo, como tarefas escolares ou de casa; ou nos adolescentes e adultos mais velhos, preparar relatórios, preencher formulários ou revisar artigos longos.
  Perder as coisas necessárias para tarefas ou atividades, como materiais escolares, lápis, livros, ferramentas, carteiras, chaves, papelada, óculos e telefones celulares.
  Facilmente distrair-se com pensamentos ou estímulos não relacionados
  Esquecimento em atividades diárias, como tarefas domésticas, recados, retorno de chamadas e manutenção de compromissos

 

  SINAIS DE HIPERATIVIDADE E IMPULSIVIDADE
  Não consegue ficar parado mesmo quando sentado
  Levanta-se e movimenta-se em situações nas quais deveria permanecer sentado como na sala de aula ou no escritório
  Correr em situações que são inadequadas; em adolescentes e adultos, muitas vezes sente-se inquieto
  Ser incapaz de brincar ou participar de hobbies em silêncio
  Fica constantemente em movimento [não consegue ficar parado]
  Fala sem parar
  Dá uma resposta antes que a pergunta seja concluída, terminando as frases de outras pessoas ou falando sem esperar por uma mudança na conversa
  Tem problemas para esperar a sua vez
  Interrompe ou invade outras pessoas, por exemplo, em conversas, jogos ou atividades

Vários distúrbios podem cursar com esses sintomas tais como ansiedade, depressão e problemas com aprendizado. Para se fazer o diagnóstico de TDAH e escolher o tratamento mais adequado ao seu caso, o ideal é consultar um profissional da área de saúde mental.

QUAIS SÃO AS TERAPIAS UTILIZADAS PARA O TRATAMENTO DE TDAH?

As terapias existentes ajudam a reduzir os sintomas e melhorar o funcionamento do indivíduo. Seguem abaixo as recomendações do Instituto de Saúde Mental dos EUA:

  1. Medicamentos: medicamentos estimulantes [para aumentar a dopamina que ajuda na atenção e no pensamento]; medicamentos não estimulantes [podem melhorar foco, atenção e impulsividade e podem ser usados em combinação aos estimulantes para reduzir os seus efeitos colaterais; e antidepressivos [para melhorar noradrenalina e dopamina];
  2. Educação ou treinamento: ao adicionar terapias sobre TDAH pode-se ajudar o individuo com esse transtorno e a família para lidar melhor com ele:

Adolescentes com TDAH: para melhorar a organização e seguir instruções com ferramentas que ajudam a manter uma rotina e um cronograma, que organizam itens do dia-a-dia.

Usa-se tarefas em casa, organizadores de cadernos, além de recompensas tais como elogios quando as regras são seguidas;

Para adultos: um terapeuta de saúde mental licenciado pode ajudar um adulto com TDAH a aprender como organizar sua vida com ferramentas como manter rotinas e fragmentar tarefas grandes em menores mais fáceis de gerenciar.

Eles também podem ajudar a criança e seus pais a desenvolver novas habilidades, atitudes e formas de se relacionar. Exemplos incluem:

1.Treinamento de habilidades parentais: ensina aos pais as habilidades necessárias para incentivar e recompensar comportamentos positivos em seus filhos;

  1. Técnicas de gerenciamento de estresse: podem beneficiar pais de crianças com TDAH, aumentando sua capacidade de lidar com a frustração para que possam responder com calma ao comportamento de seus filhos;
  2. Grupos de apoio: podem ajudar os pais e as famílias a se conectarem com outras pessoas que tenham problemas e preocupações semelhantes;
  3. Programas desenvolvidos nas escolas: algumas escolas oferecem serviços de educação especial para crianças com TDAH.

NEUROCIÊNCIA E ÁREAS DO CÉREBRO

 As áreas do cérebro que podem apresentar comprometimento no TDAH são principalmente: Córtex frontal, gânglios da base, cerebelo, lobo temporal, córtex cingulado, amigdala cerebral e tálamo.

TDAH 2Áreas do cérebro e suas funções

MAS TODA PESSOA QUE TEM DIAGNÓSTICO DE TDAH TEM ALTERAÇOES IGUAIS NO CÉREBRO?

O Dr. Daniel G. Amen, psiquiatra americano investigou essa questão através do teste de Tomografia Computadorizada do cérebro chamado SPECT [Single photon emission computed tomograph – em português: tomografia computadorizada por emissão de fóton único], e conseguiu classificar 7 tipos diferentes de TDAH com clínica e tratamentos que mudam dependendo do caso. A figura e tabela abaixo traz essa classificação de forma resumida:

TDAH 3

Captura de Tela 2019-04-07 às 18.37.42.pngCaptura de Tela 2019-04-07 às 18.37.52.pngCaptura de Tela 2019-04-07 às 18.39.50.png*CPF=córtex pré-frontal CB=cerebelo GB=gânglios da base CA=cingulado anterior SL=sistema límbico LT=lobo temporal. Essas áreas estão mais ativas­ ou menos ativas 

O Dr. Amen usou um questionário para correlacionar os achados tomográficos e as regiões cerebrais com funcionamento alterado.

Já o Dr. Mark Hyman, especialista em Medicina Funcional pelo Institute of Functional Medicine dos EUA chama a atenção para o fato de que o cérebro, que controla o nosso comportamento está dentro do corpo. Assim qualquer desequilíbrio no funcionamento do corpo pode afetar as funções cerebrais:

“Tudo o que fazemos afeta o cérebro: seja os alimentos inflamatórios que  comemos, a forma como pensamos, o quanto nos exercitamos, que toxinas ambientais temos ao redor e até mesmo como mantemos a nossa flora intestinal. Os distúrbios cerebrais são distúrbios sistêmicos em que o corpo afeta o cérebro. Sim, há uma conexão mente-corpo, mas também há uma conexão corpo-mente”

É importante destacar o fato de que muitos desses indivíduos, sejam crianças ou adultos, podem referir sinais e sintomas de desequilíbrios nos outros sistemas tais como queixas digestivas, as relacionadas ao sistema imune [de alergias a problemas com imunidade], ao sistema de detoxificaçao [como o fígado], de eliminação [como rins e intestinos], de desregulação do sono associados aos sinais e sintomas do TDAH. Então ele sugere 7 formas de abordagem mais ampla no TDAH e do “Broken Brain” [expressão que está ficando comum devido a prejuízos no funcionamento cerebral]:

  1. Mantenha uma dieta alimentar saudável, ou seja, ingira alimentos em vez de produtos alimentícios. Essa dieta deve estar livre de aditivos, açúcar, gorduras trans e alimentos processados. Existe uma conexão estreita entre a epidemia de obesidade que estamos vendo e a epidemia de TDAH e problemas de comportamento em crianças;
  2. Remova sensibilidades alimentares. Leite parcialmente digerido e partículas de trigo [chamadas caseomorfinas e gliadomorfinas] são encontradas na urina de pacientes gravemente deprimidos [assim como crianças com autismo e TDAH];
  3. Abordar deficiências nutricionais. Uma série de deficiências nutricionais, incluindo magnésio, zinco, selênio, tirosina e ácidos graxos, desempenham papéis importantes no desenvolvimento do TDAH. Muitos desses nutrientes funcionam sinergicamente;
  4. Conserte seu intestino. Muitas doenças alérgicas e autoimunes podem ter a sua origem no intestino [70% do sistema imune está no intestino delgado] além do comprometimento dele em alguns casos de depressão, no autismo, no TOC [Transtorno obsessivo compulsivo], no TDAH e nas doenças neurodegenerativas como o Alzheimer e a doença de Parkinson [vide artigo nesse site: “Alzheimer- Até onde podemos ajudar?”];
  5. Adquira uma dieta anti-inflamatória. Inflamação tem sido associada a quase todos os problemas cerebrais, como autismo, TDAH, Alzheimer e depressão. Essas e outras doenças estão todas relacionadas a níveis elevados de citocinas e inflamação sistêmica. Elas podem causar problemas em todos os órgãos, incluindo o cérebro que faz parte do corpo;
  6. Consuma muitos antioxidantes. O estresse oxidativo e a deficiência de glutationa [enzima importante para o sistema imune] têm sido associados à demência, depressão, mal de Parkinson, autismo e TDAH. Uma dieta rica em antioxidantes inclui muitos alimentos vegetais coloridos;
  7. Desintoxique-se. Uma sobrecarga de metais tóxicos ​​em crianças que são geneticamente suscetíveis aos seus efeitos é uma das causas do TDAH e do Broken brain. Cada pessoa responde de maneira diferente na eliminação de toxinas produzidas pelo corpo e oriundas do ambiente externo. Alguns se desintoxicam facilmente enquanto outros não. Isso pode acontecer com o TDAH.

Com todas essas ponderações, podemos verificar que a terapêutica desse Transtorno mental que pode prejudicar o paciente em várias áreas da sua vida (relacionamentos, desempenho escolar e profissional) não se restringe ao uso de medicamentos mas deve ser abordada de forma mais ampla incluindo a visão do ser humano como um sistema complexo que envolve corpo, mente, emoções e a parte espiritual(de proposito e sentido de vida).

NOVE ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS COMPLEMENTARES EM BUSCA DE UM MELHOR FUNCIONAMENTO CEREBRAL NO TDAH

Utilizamos em nossa clínica uma abordagem sistêmica englobando fatores do corpo, da mente e das emoções com ferramentas terapêuticas da Medicina Funcional, da Medicina Chinesa e da Psicoterapia. Elas podem ser associadas ao tratamento tradicional. Vamos a elas:

  1. Individualizaçao do tratamento de acordo com as características de cada caso. Questionário de avaliação do TDAH e do funcionamento dos lobos cerebrais e verificação dos desequilíbrios do Eixo Intestino-Cérebro através dos exames dos ácidos orgânicos urinários dentre outros;
  2. Um Plano alimentar anti-inflamatório, anti-alergênico e desintoxicante individualizado baseado nos exames laboratoriais de investigação da saúde cerebral, incluindo o Programa dos 5Rs;
  3. Otimização do sono: O sono é um dos mediadores mais poderosos para restabelecimento da saúde em geral e em especial, do funcionamento do cérebro. [vide artigo nesse site: “Por que nós dormimos?”];
  4. Fórmulas magistrais chinesas no combate à inflamação, à alergias, modulação das emoções [acalmando o mental], o sono, otimizar a memória e a vitalidade, e para modular o sistema imunológico;
  5. Fórmulas com vitaminas e mineraispara repor os nutrientes depletados e melhorar o metabolismo, para a produção de neurotransmissores, para a função da mitocôndria(motor da célula), e auxilio na desintoxicação do fígado(com ou sem intoxicação por metais tóxicos tipo chumbo, mercúrio, etc.) e a saúde cerebral em geral. Isso melhora a função cerebral (vide artigo nesse site: “Como está a saúde do seu cérebro?” e auxilia na otimização das doses de medicamentos psicotrópicos (quando necessários);
  6. Suplementostais como ômega 3, cúrcuma, carnitina, triptofano, tirosina, teanina, resveratrol, probióticos e os específicos para o quadro clínico;
  7. Acupuntura[vide neste site: “Acupuntura: indicações”] no controle do estresse, da dor, para ajudar no sono e na modulação do sistema imune;
  8. Tratamento psicoterápico baseado nas mais modernas descobertas de como o cérebro funciona e dos impactos sobre ele que repercutem em nossa saúde mental- EMDR incluindo os traumas psicológicos que podem estar envolvidos nos quadros de Brain Fog [vide nesse site o artigo: “EMDR- uma psicoterapia revolucionária” e “Trauma-Como podemos ajudar?”];
  9. Associada a essa terapia trabalhamos também as questões sobre o sentido e proposito de vida [Vide neste site o artigo: “Uma visão completa e prática do que é ter sentido na vida”]

Agende já sua consulta através do e-mail: clinica.medin88@gmail.com

Deixe uma resposta